Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Setembro 2017

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930


Pesquisar

 


Seis Noites de Terror: excessos barrocos e (muito) sangue nas paredes: "The Limehouse Golem"

por Roni Nunes, Segunda-feira, 04.09.17

por Roni Nunes

Artigo originalmente postado em C7nema (http://www.c7nema.net/festival/item/47042-seis-noites-de-terror-excessos-barrocos-e-muito-sangue-nas-paredes.html)

 

O Motelx abre nesta terça-feira (05/09); entre as produções, o britânico “The Limehouse Golem” (em Portugal estreia quinta-feira com o título de “Os Crimes de Limehouse”) e o canadiano “The Void”. O que ambos partilham em comum são os (eventuais) excessos de ideias e (muito) sangue pelas paredes.

 

A  triste figura feminina no tempo da rainha Vitória

 

A argumentista Jane Goldman (que já coescreveu blockbusters como “X-Men First Class”) há de ter gasto longas horas e farturas de neurónios para equilibrar a multidão de meta-referências e reconstruções históricas de “The Limehouse Golem”.

 

The Limehouse Golem

 

O imaginário vitoriano continua a fascinar mais de cem anos depois; Goldman apoiou-se num livro dos anos 90 (do século XX) para dar uma leitura feminina à época. O tempo lembrado pelo puritanismo na superfície e pela selvageria fora da vista (a era de “Dr. Jekyll” e “Mr. Hyde”) é reconstruído com valores de produção alargados e um ator do primeiro escalão (Bill Nighy).

 

Tem mais: há um Sherlock Holmes mais ambíguo e mais no limite vivido por Nighy – um fleumático inspetor da Scotland Yard suspeito do “crime” de homossexualidade e uma história rocambolesca que envolve serial killers, bibliotecas e o mundo do teatro – palco para as referências metalinguísticas (o gosto do público por sangue, o ritual homicida enquanto espetáculo) e assassinatos violentos e explícitos o suficiente para o tirar da trilha de um whodunit (o que é) de telefilme (o que não é).

 

The Limehouse Golem

 

Nas voltas e reviravoltas, tudo se desenvolve sob o ritmo algo pesado da realização do espanhol Juan Carlos Medina (do paquidérmico “Insensibles”, de 2012), que até deixa  escapar sem a devida leveza a anedota vinda do facto do grande e notório “rato de biblioteca” Karl Marx ser suspeito de crimes em série (!).

 

Prevalece a visão brutal da triste figura da mulher num mundo de abusos, violência e, na melhor das hipóteses, de paternalismo oportunista com vista a favores sexuais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Roni Nunes às 21:50

Seis Noites de Terror: excessos barrocos e (muito) sangue nas paredes - "The Void"

por Roni Nunes, Segunda-feira, 04.09.17

por Roni Nunes

artigo originalmente postado em C7nema (http://www.c7nema.net/festival/item/47042-seis-noites-de-terror-excessos-barrocos-e-muito-sangue-nas-paredes.html)

 

 

O Motelx abre nesta terça-feira (05/09); entre as produções, o britânico “The Limehouse Golem” (em Portugal estreia quinta-feira com o título de “Os Crimes de Limehouse”) e o canadiano “The Void”. O que ambos partilham em comum são os (eventuais) excessos de ideias e (muito) sangue pelas paredes.

 

The Void

 

Pavor cósmico

 

Em “The Void" os argumentistas/realizadores Jeremy Gillespie e Steven Kostanski convidam ao mistério com uma abertura violenta, para adentrar pelo ritmo langoroso de uma terrinha algures. Mas lá há um hospital solitário na madrugada, recheado por uns poucos inocentes, outros nem por isso, cercados por encapuzados que sugerem um culto (satânico? alienígena?); quanto ao resto, basta dizer que ninguém se poderá queixar deste terror de criaturas de linhagem eighties, violento, repulsivo, sangrento e sem CGI.

 

Enquanto a vida se recria a partir da matéria morta, o filme adentra por caminhos complexos, tentando casar um pano de fundo místico, loucos experimentos e explicações cosmogónicas (no que o que os realizadores chamaram de “cosmic dread” – com Lovecraft na base). Vale o passeio no labirinto povoado; o “vazio” até está bem preenchido... 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Roni Nunes às 21:42

Doc’s Kingdom leva experiência única do cinema documental a Arcos de Valdevez

por Roni Nunes, Segunda-feira, 04.09.17

 

O Seminário Internacional de Cinema Documental Doc’s Kingdom realiza-se em Arcos de Valdevez, na Casa das Artes, entre os dias 3 e 8 de setembro e reúne profissionais de vários países.

 

O tema é “Emergir no Conflito”, com uma seleção de filmes secreta, uma aposta na convivência entre realizadores, expositores e público e um programa que pressupõe cinco dias de imersão entre debates e sessões. Na organização está a Apordoc, a instituição responsável pelo DocLisboa, com o apoio do ICA e da Câmara de Arcos de Valdevez.

 

Dois dos diretores do evento, Filipa César e Nuno Lisboa, explicam ao SAPO Mag as singularidades e os objetivos da proposta.

 

A base do vosso trabalho é a dinâmica de grupo, onde o próprio programa é secreto e pode sofrer alterações mediante a participação dos envolvidos. Quais as principais vantagens deste tipo de abordagem?

 

NUNO LISBOA: "O Doc’s Kingdom é uma alternativa à experiência urbana, excessiva e sobre-informada do festival de cinema: ao exibir menos filmes, cuidadosamente programados, entre um mesmo grupo de pessoas que se retiram momentaneamente para longe das suas rotinas quotidianas, apostamos numa experiência de imersão total que só pode ser o resultado daquilo que os participantes determinarem. E, a partir do momento em que o seminário começa, são todos participantes, não apenas espectadores, convidados ou organizadores.

 

Quem se inscreve e participa no Doc’s Kingdom sabe que tem uma oportunidade única de passar uma semana com grandes cineastas de diferentes gerações, numa atmosfera intimista e acolhedora. O segredo do programa, ou antes, a surpresa das sessões, procura intensificar, ampliar e amplificar a experiência na sala de cinema: não sabendo o que esperar, o espectador não deixa de antecipar. Por um lado, está completamente disponível para os efeitos da máquina de memória que é o cinema e, por outro, trabalha ativamente para produzir um sentido entre os fragmentos de realidade que tem em mãos.

 

Em contraponto com o silêncio da sala de cinema, a sala de debates é um espaço de partilha e troca de ideias. Os debates, na presença dos cineastas convidados e realizados numa sala específica para o efeito, diferente da sala de projeção, constituem um núcleo fundamental do seminário e procuram ser mais do que sessões de perguntas óbvias e respostas conclusivas. Neste sentido, o tema do seminário é sempre e apenas um ponto de partida, nunca um ponto de chegada, talvez e só um ponto de encontro: entre os filmes e entre as pessoas que, durante uma semana, vão produzir a sua própria memória coletiva, através do cinema como ferramenta para pensar e agir no mundo presente. Ao saírem de Arcos de Valdevez, regressam às suas vidas com inspiração e compromissos novos.

 

FILIPA CÉSAR: A ideia de convidar vários grupos de artistas e cineastas que produzem cinema coletivamente veio de uma vontade de sublinhar ou reclamar a dimensão coletiva, colaborativa e múltipla [de multidão] intrínseca na prática cinematográfica. Queríamos desviar a ideia de um cinema de autor focado no indivíduo e no génio para realçar a dimensão coletiva, afetiva, sensorial e múltipla do cinema que nos parece o melhor campo para abordar os temas deste seminário.

 

O documentário é um das vertentes do cinema mais exploradas em Portugal. Por que acham que isso acontecem e como posicionam o cinema feito cá no panorama mundial?

 

NUNO LISBOA: Mais do que a importância, real e presente, do documentário como género cinematográfico em Portugal e no mundo, existe uma cultura documental do cinema português que se encontra presente em todos os melhores filmes produzidos no país, incluindo de ficção. Não estamos particularmente interessados nas velhas divisões binárias entre o documentário e a ficção, como em nenhumas outras prisões de género. Reconhecemos que o cinema documental atravessa todo o cinema português e faz parte do seu “estilo”: na sua “Introdução a uma Verdadeira História do Cinema e da Televisão”, Jean-Luc Godard define o estilo como aquilo que resulta da “diferença entre o que se pode e o que se quer.”

 

Qual a ideia presente no título, "Emergir no Conflito"?

 

FILIPA CÉSAR: Idealmente, títulos são significantes com a possibilidade de múltiplos significados. O que posso revelar são elementos do diálogo com Olivier Marboeuf e Nuno Lisboa para chegarmos a "emergir no conflito”. Podemos dizer que o título propõe um espaço cinemático, sensorial e discursivo entre as duas palavras que o seminário quer proporcionar.

 

Este espaço é informado por múltiplos autores e artistas. "Emergir" e "Conflito" são os parênteses para criar este espaço: por um lado "Emergir" convoca o livro “The Black Atlantic” (1993), de Paul Gilroy, e "Conflito" o último livro de Donna Haraway - “Staying with the Trouble” (2016).

 

Portanto, o primeiro indica-nos talvez um campo de abordagem que, no contexto português, seria uma proposta de contra-história das Descobertas, o Atlântico como narrativa, como agência, Atlântico "prosopormorfico" - uma forma que tem prosa e narrativa próprias. Ou o Atlântico pela perspetiva dos humanos atirados ao mar durante o tráfico de escravos. Portanto, uma contra-abordagem aos “Descobrimentos”. O segundo, como criar espaços onde possamos convocar conflitos, habitar o conflito, habitar aquilo que põe em causa questões epistemológicas estruturantes daquilo que pensamos ser a nossa cultura, a nossa forma de pensar, a nossa ética. Como criar um espaço de “desaprendizagem” sem o assolamento petrificante do medo.

 

Emergir no conflito, ou habitar o conflito é uma tentativa de pôr em ação instrumentos de pensamento que Donna Haraway propõe: "aprender a ser verdadeiramente presente, não como um pivô de fuga entre passados horríveis ou perfeitos, e futuros apocalípticos ou salvíficos, mas como seres éticos entrelaçados em múltiplas configurações inacabadas de lugares, tempos, matérias e significados.”

 

NUNO LISBOA: O programa deste ano relaciona diferentes práticas artísticas e cinematográficas que abordam o conflito enquanto tema intergeracional, incluindo a projeção de clássicos como “Bless Their Little Hearts”, de Billy Woodberry, e “Born in Flames”, de Lizzy Borden, ambos de 1983, ou “O Regresso de Amílcar Cabral” (1976), de Sana na N´Hada, tal como os últimos filmes dos jovens cineastas Louis Henderson, James N. Kienitz Wilkins e do colectivo Inhabitants [Mariana Silva e Pedro Neves Marques], todos inéditos e, alguns, mostrados ainda nas suas versões de trabalho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Roni Nunes às 21:22


Comentários recentes

  • Cleber Nunes

    Sem dúvida é um filme que me despertou interesse ...



Posts mais comentados




subscrever feeds