Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Maio 2018

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031


Pesquisar

 


IndieLisboa 2018: French Waves

por Roni Nunes, Sábado, 12.05.18

Artigo originalmente postado no Sapo.

Por Roni Nunes

.

A vastidão e a riqueza musical da cultura negra norte-americana serviu de fonte para os franceses, que foram buscar a Frankie Knuckles e aos diversos palcos da "house" americana (Chicago, Detroit, Nova Iorque) a inspiração para um movimento destinado à massificação e expansão internacional. A história é contada por Julian Starke em "French Waves", obra integrante de uma ação multimédia que inclui uma série, uma tour e um site.

 

Conforme recorda Laurent Garnier, os DJs foram uma possibilidade posterior de rebeldia para uma geração que não tinha idade para beneficiar dos feitos revolucionários dos "punks". Mas o espírito de libertação coletiva foi levado suficientemente a sério pela polícia, pelo menos quando esta conseguia localizar as "raves" clandestinas que passaram a ser construídas em nome de uma celebração comunitária.

 

Os grandes ideais do passado estavam enterrados, mas essa vivência assumidamente hedonista ("era um movimento sem demandas", recorda o DJ Agora) continuava a ter o seu "quê" de rebeldia. "Porquê importar esse lixo da Inglaterra?", bradavam os conservadores.

 

Além de Garnier, muitos nomes destinados a cruzar as fronteiras dão o seu testemunho, como o multiplatinado Bob Sinclair, Cassius, Agora, Jacques, Justice e o "espectro" dos Daft Punk, pioneiros da música eletrónica francesa a mostrar que sucesso não comprometia a integridade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Roni Nunes às 14:47


Comentários recentes

  • Cleber Nunes

    Sem dúvida é um filme que me despertou interesse ...



Posts mais comentados