Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Maio 2018

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031


Pesquisar

 


IndieLisboa 2018: Matangi/Maya/M.I.A.

por Roni Nunes, Quarta-feira, 02.05.18

Artigo originalmente postado no Sapo.

Por Roni Nunes

 

 

Os "medias" não ficam muito bem na fotografia em "Matangi/Maya/ M.I.A.", de Steve Loveridge. A cantora e compositora M.I.A. poderia viver sossegada na sua qualidade de estrela pop se resolvesse fazer o que a maior parte da humanidade faria no seu lugar – borrifar-se para tudo e usufruir de fama e fortuna. Em vez disto meteu-se numa guerra contra o "establishment" da comunicação social, radicalmente intolerante a desvios da norma – ou seja, a do entretenimento acéfalo e apolítico em estado puro.

 

M.I.A. nasceu no Sri Lanka e mudou-se com a família para Londres aos oito anos para fugir de uma guerra civil destinada a uma vida longa. O pai, membro dos Tigers Tamil, ficou. Com momentos intermitentes de paz, o conflito durou quase 26 anos. Pior: terminou em acusações de genocídio à minoria "tamil", a qual pertence, crimes contra a Humanidade e a abstenção das Nações Unidas em evitar os massacres.

 

M.I.A. resolveu denunciar isso tudo nos "media" das democracias ocidentais: acabou refém de um contradiscurso (no Sri Lanka os rebeldes são designados como "terroristas") e de tentativas mais ou menos bem-sucedidas dos apresentadores de televisão ocidentais em retirar o poder dos seus discursos (há pelo menos um momento notável neste sentido exibido no filme). A situação "piorou" quando a causa foi estendida a palestinianos e povos africanos e a "rapper" garantiu, desde o seu primeiro álbum, um rígido controlo para entrar e sair dos Estados Unidos.

 

Quanto à música, também por lá anda. A cantora fala de processos de escrita e criação e o filme acompanha paralelamente uma carreira que conta com cinco álbuns a reunir um raro consenso de sucesso comercial com críticas positivas. Conforme declara no início, ela estaria enterrada no mundo do álcool e das drogas se não se expressasse convenientemente. Mais algum artista alinha?

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Roni Nunes às 23:05


Comentários recentes

  • Cleber Nunes

    Sem dúvida é um filme que me despertou interesse ...



Posts mais comentados