Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Abril 2017

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30


Pesquisar

 


Le Confessioni: a falência moral dos muito ricos

por Roni Nunes, Sábado, 08.04.17

Le confessioni (Copy).jpg

 O realizador Roberto Andò está de volta com um filme sobre a falência moral no mundo altamente secreto das grandes decisões.

Artigo originalmente publicado em SAPO MAG (https://mag.sapo.pt/cinema/atualidade-cinema/artigos/festa-do-cinema-italiano-filme-do-dia-le-confessioni?artigo-completo=sim)

 

O que um membro do G8 confessaria a um monge?

 

Em “Viva a Liberdade”, obra que abriu a Festa do Cinema Italiano em 2014, o realizador Roberto Andò desconstruía a imagem pública dos políticos através de uma farsa onde o irmão gémeo de um governante, acabado de sair de um sanatório, o substituía no comando da nação.

 

Em “Le Confessioni”, que surge em antestreia portuguesa no segundo dia do festival, o cineasta troca o cómico por um tom solene para fantasiar sobre uma reunião entre economistas e políticos do G8.

 

Nela, um banqueiro do Fundo Monetário Internacional, interpretado por Daniel Auteuil, coloca o mundo altamente secreto das grandes decisões em apuros ao fazer uma confissão a um impávido monge cartuxo (Toni Servillo), “um dos últimos da sua espécie”.

 

O religioso e o seu voto de silêncio servem para o também argumentista Andò propor uma demonstração da falência moral do universo que retrata, contrastando a sua figura estoica e incorruptível com a ganância e o exercício pragmático do poder pelos muito ricos.

Le-confessioni2 (Copy).jpg

 Por outras palavras, a história está ao serviço de uma ideia e a forma como utiliza os recursos dramáticos terminam por empurrá-lo para uma espécie de “suspense moral” (há uma referência explícita a “I Confess”, de Alfred Hitchcock), onde o interesse não está tanto na resolução do mistério mas antes na exposição das ideologias e comportamentos dos muito poderosos – exibidos sobre a capa sinistra da espionagem totalitária.

 

O tom quase didático pelo qual Andò vai descortinando esse mundo por trás das aparências pode ser por vezes desagradável – até porque a forma escolhida para narrar os acontecimentos não são os da comédia acessível, mas antes um “sorrentiniano” exercício de estilo que pode afastar os “alunos” da sua mensagem.

 

De qualquer forma e ainda que não de todo credível, dada a dieta radical de acesso a este universo nos media tradicionais, o esforço do realizador não é perdido.

 

O elenco internacional inclui, além dos citados, outros “habitués” do cinema europeu/alternativo, nomeadamente Maria José-Crozée, Connie Nielsen, Moritz Bleibtreu, Lambert Wilson e Pierfrancesco Favino, entre outros.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Roni Nunes às 11:03

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Comentários recentes

  • Cleber Nunes

    Sem dúvida é um filme que me despertou interesse ...



Posts mais comentados




subscrever feeds