Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Novembro 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930


Pesquisar

 


Retrospetiva Abel Ferrara: Capulettos em Chinatown («China Girl», 1987)

por Roni Nunes, Segunda-feira, 20.11.17
  • Publicado por  Roni Nunes

 

 

Se Nova Iorque é uma personagem central do cinema de Abel Ferrara, a multirracialidade teria de o ser também – por extensão. Os cerca de 30 planos sob os créditos iniciais de “China Girl” definem o filme. O primeiro é fixo: um arranjo de flores e frutas em volta de uma santa padroeira qualquer, mais duas bandeiras dos Estados Unidos. Duas noções que se revelarão falhas ao longo do filme: a do sentido de pátria e a de comunidade religiosa.

 

A partir daí inicia-se uma narrativa visual de histórias intercaladas: fachadas de velhos restaurantes italianos de um lado da rua (um deles chama-se Ferrara, atribuindo um irónico traço de identificação pessoal), chineses que se movimentam no outro. Um oriental passa com uma enorme placa – estabelecendo uma espécie de barreira entre dois mundos; enquanto o reclame de um tradicional restaurante italiano é substituídas por um novo (“Canton Garden”), os habitantes antigos são apanhados em closes que, entre o perplexo, o triste, o abananado, assistem a instalação dos “intrusos”. Termina com um plano aproximado de um dos protagonistas, Alby (James Russo): olhar de desprezo. Fade-out: a guerra está anunciada.

 

 

Estabelecidos os elementos, é partir para a ação. Em termos de duração de planos e sequências (em que pese a longo trecho na discoteca), esse é um dos mais acessíveis do realizador. Essencialmente, vai tratar de uma disputa territorial onde permanentemente estarão em diálogo a modernidade paradoxalmente expressa nos acordos de comércio e não-agressão entre velhos mafiosos de ambos os grupos e a tradição, presente na violência primitiva e xenófoba dos jovens.

 

Assim, em plena Nova Iorque do final do século XX tem-se o arquétipo de um conflito shakespeariano – já que, nem perdidos nem achados no meio da confusão, os jovens Tony (Richard Panebianco) e Tye (Sari Chang) decidem se apaixonar. Ela vítima do patriarcalismo/machista, um tema recorrente do cineasta; ele preso aos laços de solidariedade tribal com os “seus”. Os filmes de Ferrara são sobre brutamontes: essa rara love story vai beneficiar de algum tipo de condescendência?

 

Artigo originalmente postado em C7nema.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Roni Nunes às 19:10


Comentários recentes

  • Cleber Nunes

    Sem dúvida é um filme que me despertou interesse ...



Posts mais comentados